top of page

Autorias em artigos e posição


Coautoria em artigos

Artigos em coautoria mostram sua produtividade científica; entretanto, ter principalmente ou apenas artigos em coautoria pode ser interpretado como independência científica limitada. E isso pode causar problemas substanciais para encontrar um emprego no mundo acadêmico.


AUTORIAS LOGO ANTES DO ÚLTIMO AUTOR

Ser o penúltimo autor é bom quando indicado como contribuindo igualmente?

Quando você for o penúltimo autor e seu orientador/colaborador for o último, o trabalho será considerado como sendo do seu supervisor/colaborador. Se for o contrário (o penúltimo é o supervisor e você o último, ambos contribuindo igualmente), será interpretado a seu favor. Quando o outro último autor igualmente contribuinte for de outro laboratório, isso também será interpretado a seu favor se você for o último autor.

Mas a contribuicão equivalente de última autoria é sempre melhor do que sem essa observação.


É MELHOR SER SEGUNDO AUTOR OU ÚLTIMO AUTOR?

O valor de ser segundo ou último autor em artigos científicos varia de acordo com a área. Da minha perspectiva pessoal, particularmente nas ciências da vida, o segundo autor conta apenas como uma coautoria intermediária. Assim, não tem mais valor que a 3ª, 4ª ou 23ª coautoria.

No entanto, se a segunda autoria for destacada com um asterisco (*) e explicitamente rotulada como “autoria com igual contribuição” ao lado do primeiro autor, a sua importância aumenta dramaticamente, alinhando-a com a contribuição do autor principal. Caso contrário, conta apenas como coautoria.


AS COAUTORIAS NÃO CONTAM?

As coautorias são essenciais para “preencher sua lista de publicações” e evitar lacunas. Se você estiver um ou dois anos sem publicação, isso poderá ser usado contra você como um sinal de produtividade científica limitada.

Assim, as coautorias preenchem essas lacunas, mas as autorias primárias e senior (último autor) devem ser sua prioridade.


E AS REVISÕES CIENTÍFICAS?

O mesmo se aplica às revisões. Uma revisão bem feita preenche sua lista de publicações e ajuda a evitar lacunas. Você parece mais prolífico. Também ajuda você a se posicionar como um especialista e a tornar seu trabalho visível para um público mais amplo.


VOCÊ DEVE SE TORNAR O “AUTOR CORRESPONDENTE”?

Novamente, uma pergunta complicada. Já ouvi muitas opiniões diferentes sobre este assunto e vi muitas práticas diferentes.

Resumidamente, se você deve escolher entre uma posição de autoria de destaque (primeiro ou último) e a posição de autor correspondente, a primeira é mais importante que a segunda.

No entanto, acontecem situações em que se perde a primeira autoria e você se torna um dos vários autores que contribuíram igualmente e, como “presente de consolação”, recebe a oferta do autor correspondente.

Da mesma forma, você pode perguntar: “quem é mais importante, o primeiro autor ou o autor correspondente?”

O valor do autor correspondente é muito debatido e não tenho uma resposta conclusiva sobre o peso que isso tem para a sua carreira científica. Contudo, o autor correspondente nunca desempenhou papel importante em comitês de seleção de bolsas ou de concursos. Assim, aconselho sempre os jovens investigadores a optarem pela primeira e última autoria (ou posições igualmente contribuintes na lista de autores). Isso, porém, pode ser diferente em outros campos.


CONCLUSÃO

Concluindo, você deve evitar a todo custo o dilema da publicação do pós-doutorado (= uma longa lista principalmente de coautorias) – desde que queira seguir uma carreira acadêmica.

As primeiras autorias têm a maior prioridade nos estágios iniciais da carreira, as coautorias são úteis para “preencher sua lista de publicações” e as autorias senior tornam-se cada vez mais relevantes em estágios posteriores da carreira, para mostrar independência científica.


Apenas uma advertência: as regras podem ser diferentes em outras especialidades além das áreas médicas e biológicas.

35 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page