• Flavia Pinheiro Zanotto

Artigo médico e as regras para publicação


artigo médico
Artigo médico

Na pesquisa científica e médica, a transparência e a precisão são Vitais. Ambos aumentam a confiabilidade e o impacto dos resultados da pesquisa. A comunicação de artigos médicos de alta qualidade é primordial devido ao seu impacto direto na saúde humana. Além disso, pesquisadores, médicos e profissionais de saúde pública precisam estar confiantes de que a pesquisa foi realizada de forma adequada e segue estritamente as diretrizes para publicar. As consequências sobre relatar pesquisas científicas ou médicas de maneira não transparente e precisa podem ser graves legalmente e eticamente.


Às vezes, pode ocorrer falta de precisão ou informações chave incompletas por erro genuíno. Mesmo pesquisadores experientes podem cometer erros. Felizmente, diretrizes e listas de verificação detalhadas e confiáveis ​​sobre relatórios de pesquisa, desenvolvidas por especialistas, estão disponíveis para diversos tipos de estudos e artigos médicos. Isso capacita os leitores a avaliar a pesquisa e replicá-la, se necessário.


Por que você deve usar as diretrizes para artigos médicos?


Um artigo que esteja em conformidade com as diretrizes tem maior probabilidade de alcançar alto mérito científico. Afinal, mesmo que seu trabalho envolva uma excelente ciência, se você o reportar mal, é provável que ninguém vá citar!

Para passar pelo processo de revisão por pares, seu artigo deve ser preciso e conter detalhes suficientes para que seja avaliado de forma independente. Além disso, usar diretrizes ou uma lista de verificação pode ajudá-lo e também evitar perder tempo com revisões intermináveis.

Quais diretrizes ou listas de verificação devo usar?
Primeiro, você precisará identificar as diretrizes mais apropriadas com base no tipo de pesquisa. Por exemplo – você escreveu uma revisão sistemática ou meta-análise? Você realizou pesquisas epidemiológicas? Ou você está relatando um ensaio clínico? Cada pesquisa tem características únicas e, portanto, requer diretrizes diferentes.

Atualmente, existem seis conjuntos principais de diretrizes específicas para diferentes tipos de estudos e disponíveis para uso. Cada um inclui uma lista de verificação detalhada de 20 a 40 itens. Um grupo de especialistas incluindo acadêmicos, clínicos, estatísticos e revisores sistemáticos desenvolveram essas diretrizes e diagramas de fluxo entre 1996 e 2007. O principal objetivo dessas diretrizes foi determinar o conjunto mínimo de informações que fornece uma descrição completa do tipo específico de estudo . Embora essas diretrizes tenham sido criadas há vários anos, elas são atualizadas com frequência. Seguir essas diretrizes o ajudará a garantir que seu trabalho seja preciso e claro.


Os Seis Conjuntos de Diretrizes são:


  1. PRISMA (Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-analyses) é um conjunto de diretrizes para relatar revisões sistemáticas e meta-análises. A lista de verificação inclui título, resumo, introdução, métodos, resultados, discussão e fonte de financiamento. O fluxograma mapeia diferentes recursos, como triagem, elegibilidade e critérios de inclusão/exclusão. Curiosamente, um estudo de 2013 descobriu que a qualidade dos artigos publicados nesta categoria melhorou significativamente desde a criação do PRISMA.

  2. CONSORT (Consolidated Standards of Reporting Trials) é um conjunto útil de diretrizes para relatórios de ensaios clínicos randomizados. O CONSORT sugere o desenho do estudo e evita que ensaios mal desenhados cheguem ao estágio de publicação. Como resultado, essas diretrizes são continuamente avaliadas e aprimoradas por uma grande equipe de pesquisadores, editores e estatísticos.

  3. STROBE (STrengthening the Reporting of OBservational Studies in Epidemiology) inclui uma lista de verificação de 22 itens, especificamente projetada com o objetivo de garantir relatórios de alta qualidade para estudos observacionais, como estudos de coorte, caso-controle e transversais. Essas diretrizes permitem que o pesquisador relate exatamente o que foi planejado e realizado durante o estudo. Outro conjunto de diretrizes, STREGA (STrengthening the REporting of Genetic Association studies), uma extensão do STROBE, abrange estudos envolvendo genética.

  4. MOOSE (Meta-analysis of Observational Studies in Epidemiology) é um conjunto de diretrizes para relatar e melhorar estudos em meta-análise epidemiológica. Ele foi criado depois que os pesquisadores perceberam que a meta-análise estava sendo relatada de diversas maneiras não-apropriadas.

  5. STARD (Standards for the Reporting of Diagnostic Accuracy Studies) aconselha relatórios de estudos sobre acurácia diagnóstica ou prognóstica. Vários artigos falham em apresentar elementos cruciais no desenho do estudo e com suposições tendenciosas. Para resolver isso, surgiu a STARD.

  6. SPIRIT (Standard Protocol Items: Recommendations for Interventional Trials), desenvolvido em 2007, é um dos mais recentes conjuntos de diretrizes para relatar protocolos de estudos científicos. Uma grande equipe, incluindo pesquisadores, estatísticos, agências reguladoras e editores, desenvolveu as diretrizes para diminuir os erros em relatórios. O SPIRIT, inspirado no CONSORT, incorporou alguns elementos deste último com o objetivo de facilitar o processo de transição do protocolo baseado no SPIRIT para um protocolo baseado no CONSORT, se necessário. Fundamentalmente, o SPIRIT enfatiza a conexão com sites como ClinicalTrials, onde os estudos devem ser registrados para garantir transparência.


Espero que tenha ajudado...

40 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo